sábado, 1 de novembro de 2008

Um coração!

Coração que bate;
Bate baixinho;
Que quer um beijo;
Eu dou cedinho;
Todos os desejos;
A ele é pouco;
Seu coração não dá desgosto!

E quando penso em ti pertinho;
Meu coração é seu todinho;
E neste amor os dois se abraçam;
O meu e o seu;
Já não disfarçam;

Ai coração!Não chores por estar longe;
Aqui o peito abriga seus medos;
A saudade ferida te espera chegar;
Mas sorria, pois a vida hoje te faz amar.


Elciane
Um pouco de amor

Quero amar-te como as voltas do vento,
Que como fluidos de pensamentos não esperam,
Quero amar-te como a intensidade do silêncio,
Que em sua paz a distância tolera.

Quero amar-te em noites frias,
Talvez pensar que sou sua anatomia,
Quero ser toque em suas dobrinhas,
Desejos e suspiros à noite inteirinha.

Quero ser luz em pensamentos incógnitos,
Uma procura que acha e se perde em laços,
Uma deslumbrante atitude de beijos afogados,
Quero a violência pura de seus braços.

Quero amar-te apenas amar-te,
Para quebrar do luar o contraste,
Para curar a carência de mi face,
E me abrigar no calor de nossas tardes.

Quero amar-te e não parar-te,
Na chuva de pétalas, te cantar um idílio,
Quero pedalar em seus caminhos longos,
Beijar-te em extensos campos de lírios...



Elciane.
O amor de uma rosa

Quem quer perfume a tempo de prosa,
Busca no jardim entre as mais formosas,
A mais bela não de olhar, mas de amor,
Que chora, e és só tua a generosa rosa.

“Pegue-me em braços quente, jardineiro,
Faça que o orvalho saia de mim,
Que em suas mãos suaviza seus calos,
“Deixa-me cuidar de ti.”

Quem quer encontrar abrigo,
Busca em braços um calor amigo,
Busca a paz do dormir em mimos,
E o que mais encontrar possa,

Quem quer vento pra seguir,
Busca a força do vermelho seu,
Que ofusca os olhos meus,
A forte cor do coração da rosa.

E a você que lê agora este apelo,
A rosa apaixonada fala para seu jardineiro:
“Dou-te oh! Meu amor, todo o meu perfume verdadeiro”!



Elciane